7 de agosto de 2012

"Prometheus" por Nuno Reis


Ligeiro spoiler, ja deviam ter visto

Há trinta anos Ridley Scott convenceu o mundo que era um visionário. Depois do aclamado “Alien” trouxe-nos “Blade Runner” para provar que não tinha sido apenas uma questão de sorte. Agora que já deu provas em tantos géneros começa a regressar às origens. Fala-se de uma sequela de “Blade Runner” e foi anunciada uma prequela de “Alien” que mais tarde foi corrigido para um filme de título Prometheus não ligado a Alien. Preparem-se para o spoiler pior guardado desde a identidade de Darth Vader: “Prometheus” é uma prequela de “Alien”. Terá sido para confundir as pessoas? Para baixar as expectativas? Em qualquer dos casos correu mal pois depressa as expectativas dispararam e mesmo quem nunca tivesse visto a quadrilogia reconheceria o ovo, o facehugger, o chestbuster e o xenomorfo final. Sim, está tudo lá. Pode faltar Ripley, mas em vez de uma tem duas mulheres de armas que dão cartas numa tripulação maioritariamente masculina. Mas voltemos ao princípio, voltemos às origens.

Segundo a mitologia grega, na época em que deuses e titãs se enfrentavam pelo poder absoluto, Prometeus criou o Homem e deu-lhe o fogo, símbolo do conhecimento. Como consequência foi punido com um castigo eterno. A Humanidade agradeceu e por isso quando enviaram uma nave em busca da nossa origem baptizaram-na Prometheus. A curiosidade científica, os interesses económicos e pessoais, os egos conflituosos e um andróide, estão todos a bordo de uma nave como nunca se viu e que trará a derradeira resposta sobre a vida e o universo. O planeta que procuravam tem tudo o que sonharam: esculturas humanóides, gravações holográficas do que teria sucedido, só não tem vida. Ou terá?

Este primeiro encontro com a espécie alienígena que aprendemos a enfrentar há mais de trinta anos traz uma enorme sensação de dejá vu. Os humanos estão a cair nos mesmos erros, a única diferença é que os efeitos especiais são melhores, mesmo que representem uma época anterior. Aí nota-se como “Alien” estava adiantado para a época. “Prometheus” tenta seguir as pisadas de um dos filmes mais importantes de sempre e falha miseravelmente. A aura de mistério desfaz-se logo no início e sobra pouca substância para reflexão ou discussão. No entanto dá uma dimensão mais humana ao confronto terrestre. Se em 1979 era uma equipa com um objectivo comum e o problema de alguns subalternos insubordinados, aqui tem diversos indivíduos a trabalharem por conta própria. Termina deixando enorme vontade de ver o próximo capítulo - que provavelmente vai destruir alguns dos erros criados nas sequelas e spin-offs - fazendo a definitiva trilogia Alien, completamente ao gosto de Scott como sempre devia ter sido. Esperemos que nesse novo trio o terror seja crescente pois este primeiro capítulo é fraquinho para quem consegue adormecer depois de ver "Alien".

As palavras para o descrever nunca serão suficientes pelo que o visionamento é deveras recomendado.

PrometheusTítulo Original: "Prometheus" (EUA, 2012)
Realização: Ridley Scott
Argumento: Damon Lindelof, Jon Spaihts
Intérpretes: Noomi Rapace, Michael Fassbender, Charlize Theron, Idris Elba, Logan Marshall-Green, Guy Pearce, Sean Harris, Rafe Spall, Emun Elliot, Benedict Wong, Kate Dickie
Música: Marc Streitenfeld
Fotografia: Dariusz Wolski
Género: Aventura, Ficção-Científica, Thriller
Duração: 124 min.
Sítio Oficial: http://www.projectprometheus.com/

Sem comentários: